O controle de cupins subterrâneos com o Sistema Ecológico de Iscagem (SEI) é uma técnica onde se emprega iscas com ingredientes ativos associados ou não a fungos entomopatogênicos que são colocadas diretamente no solo da construção abrangendo um território de forrageamento dos cupins visando ao controle da colônia. Os cupins forrageiros se alimentam dessas iscas, mas não morrem imediatamente. Eles vivem o suficiente para transportar o inseticida/fungo para a colônia e distribuí-lo por meio da trofalaxia (ação de um alimentar o outro). Assim, a colônia de cupim é eliminada e a futura estrutura fica protegida contra ataques.

Os cupins dividem-se em duas categorias: os cupins de madeira seca e os cupins subterrâneos (Figuras 1A e 1B). Os primeiros constroem seus ninhos no interior da própria madeira e constituem colônias de pequeno porte. Já os cupins subterrâneos, como o próprio nome diz, constroem seus ninhos no solo, formando colônias de grande porte, capazes de provocar danos relevantes em construções civis.

Espécies de Cupins

Figuras 1A – Coptotermes gestroi (cupim subterrâneo) e 1B- Cryptotermes brevis (cupim de madeira seca)

Esses insetos sociais xilófagos (alimentam-se de celulose e derivados) vivem em colônias podendo chegar a milhões de indivíduos, em sociedade organizada, divididas em castas bem definidas: casal real (reprodutores), formas neotêmicas (sexuada inativa), soldados (guardiões da colônia), operários (que podem buscar alimentos até 100 metros da colônia) e cupins alados (com asas, comumente chamados de aleluias, que têm a função de disseminação da colônia). A ligação entre a colônia e a fonte de alimento dos cupins subterrâneos é feita por meios de túneis (terra/saliva/celulose Figura 2), as vias mais comuns de deslocamento são locais “vazios” e escuros (os cupins são sensíveis a luz), tais como: prumadas (hidráulica, gás etc.), por trás do reboque, conduítes elétricos/telefônicos (Figuras 3 e 4), rodapés, rodateto, juntas de dilatações etc.

Caminho ou corredor feito pelos Cupins

Figura 2 – Carreador formado por terra/saliva/celulose de cupins subterrâneos.

 

Ataque de Cupins na estrutura de Madeira de Instalações Elétricas

Figura 3 – Caixa de receptores de TV destruída pelo ataque de cupins.

 

Ação dos Cupins em canos metálicos

Figura 4 – Pedaço de cano perfurado pela ação de cupins subterrâneos.

O SEI explora a própria biologia do inseto visando ao seu controle pela ingestão de iscas atrativas contendo um regulador de crescimento e um fungo entomopatogênico (Figuras 5A e 5B).

Essas iscas são ingeridas e transportadas pelos insetos operários até a colônia onde serão fornecidas como alimento para todo o restante do ninho, inclusive para a rainha.

Com as perdas das capacidades de produção de quitina e de limpeza dos insetos, afetadas pelo efeito do regulador, os esporos do fungo entomopatogênico têm sua capacidade patogênica aumentada, colaborando para a eliminação total da colônia.

Para uma potencialização do sistema de iscas também pode ser realizada em alguns locais, pulverização do regulador de crescimento com esporos de fungo sobre os operários que se alimentam das iscas para que estes também levem até a colônia esporos e ingredientes ativos via tegumento.

Devido à área de forrageamento do cupim subterrâneo ser muito ampla, o trabalho com iscas deve ser realizado de forma global abrangendo todas as áreas pertencentes ao local tratado e quando possível as regiões vizinhas a este.

 

Controle Biológico: Iscas contaminadas por fungos para combater Cupins

Figuras 5 A- Iscas atacadas por cupins. 5B- Cupins colonizados por fungo

Serviços Executados no SEI

  • Inspeções e vistorias

São realizadas inspeções e vistorias detalhadas em locais que apresentarem reclamações de danos por cupins e em áreas comuns visando encontrar sinais ativos ou inativos do cupim subterrâneo, além da busca de ninhos secundários nesses locais.

  • Iscagem em áreas comuns e nos locais atacados

Instalação de iscas aéreas de controle em focos que serão detectados durante as inspeções realizadas pela BIOMAX.

  • Monitoramento

A BIOMAX realiza inspeções e monitoramento das estações periodicamente para a confirmação do fim das atividades de cupins subterrâneos na área atacada.

Vantagens do SEI

  • O método foi desenvolvido na Universidade de São Paulo (ESALQ-USP), tendo como apoio técnico e científico profissionais dessa instituição, com grande experiência no controle de cupins;
  • Age diretamente na colônia dos cupins, eliminando a causa do problema e não apenas criando uma barreira contra a entrada de cupins na estrutura;
  • Soluciona o problema sem o inconveniente das contaminações químicas ambientais, tanto de ambientes internos como em ambientes externos, como solo e lençois freáticos;
  • Utiliza como ingredientes ativos na isca, produtos altamente seguros para a saúde humana.
  • Não há necessidade de desocupar o imóvel e nem de se realizar perfurações a cada 50 centímetros.
  • O inseto atacando poucas gramas da isca (+ ou – 10g.) já é suficiente para eliminação da colônia toda.
  • Os próprios cupins levarão o ingrediente ativo + fungo para sua colônia onde através da transferência de alimentos boca-a-boca possibilita que se espalhe por todo o ninho.

Desvantagens

  • A duração desse processo varia de três semanas até seis meses, com tempo médio de 90 dias.
  • Exige pessoal qualificado e com experiência para manutenção do sistema através de monitoramento de ataque de novos cupins para evitar a reinfestação do local.

Garantia

Com a utilização do SEI a BIOMAX garante por 3 anos (a partir do início das atividades) o controle de espécies de cupins subterrâneos em todos as áreas tratadas.

Técnicas e Equipamentos:

Na realização dos serviços, serão associados tecnologia e equipamentos que promovam o máximo de eficiência na prevenção e proteção contra cupins subterrâneos, visando ao máximo de segurança e limpeza.

Atenção: As iscas de cupins são usadas no serviço de “Controle de Cupins BIOMAX” e não são vendidas separadamente como um produto

Entre em contato agora:



    Aceito a utilização dos dados cedidos nesse formulário para a realização de contato comercial.

    Sumário
    Cupins Subterrâneos: Controle Ecológico
    Nome do Artigo
    Cupins Subterrâneos: Controle Ecológico
    Descrição
    Cupins Subterrâneos são exterminados através de Controle Ecológico. O Sistema de Iscagem é uma técnica que emprega iscas associadas a fungos visando o extermínio da colônia de Cupins.
    Autor
    BIOMAX Controle de Pragas