Identificar e Diferenciar Rato e Ratazana É Indispensável Para o Sucesso da Desratização

Desratização BIOMAX evita ‘efeito bumerangue’ e exclui a possibilidade de contaminação de ambientes, manipuladores e produtos em indústrias e empresas.

Desratização

O sucesso de qualquer ação de controle de pragas no ambiente industrial depende, em primeiro lugar, da exata identificação do animal invasor. No caso dos roedores, é fundamental saber a diferença entre ratazana e rato. Essa precisão quanto ao reconhecimento do tipo de roedor é um dos fatores determinantes para o êxito da desratização. Na verdade, é imprescindível! A BIOMAX – empresa de soluções de controle de pragas urbanas em indústrias, armazéns e grandes estoques varejistas – emprega esse ‘know how’ na execução de serviços especializados de desratização. A desratização BIOMAX é um serviço que oferece total segurança, máxima eficiência na erradicação de pragas e baixo impacto ambiental.

Ao contrário da simples dedetização, a desratização evita o efeito bumerangue. Ou seja, o aumento do número de roedores após alguns meses de ter sido praticada uma ação de controle ineficaz.

A seguir, conheça quais são os principais tipos de roedores que oferecem riscos ao seu negócio, suas características e padrões de comportamento.

Tipos de Ratos e Suas Características

Ratazana e Ratos

Estima-se a existência de cerca de 2.000 espécies de roedores em todo o mundo, entre ratos e outros parentes que também são mamíferos dentuços. Segundo o Guia de Roedores do Brasil da Fiocruz, temos aproximadamente 236 espécies de roedores presentes nas nossas cidades, nas zonas urbana e rural. No meio dessa variedade, existem inúmeros tipos de ratos que, diariamente, perambulam principalmente em áreas urbanas – pelos esgotos, forros de residências, córregos, lixões, encanamentos, bueiros e outros locais onde, geralmente, vivem em busca de abrigo e alimento. Mas além destes lugares, os indesejados ratos também batem pernas nas indústrias de processamento de alimentos, áreas de armazenagem de grãos/cereais e de estocagem de alimentos. E isso representa um grande problema, pois a presença de ratos nessas áreas põe em risco a qualidade dos alimentos, a saúde dos consumidores e a credibilidade da empresa. De fato, esses e outros ambientes são tentadores para as diferentes famílias de ratos. Especialmente para quatro espécies de roedores. A saber:

  • Ratazana (Rattus norvegicus)

    Roedor de grande porte (pode ter até 21 cm), com cauda um pouco menor do que o comprimento do corpo (até 18 cm), orelhas mais curtas e ligeiramente peludas. Animal de hábitos semi-aquáticos, com habilidade para nadar, mergulhar e cavar extensas galerias. Este roedor costuma habitar regiões litorâneas, mas também é visto em campos, em locais como estrebarias, aviários e outras instalações de animais domésticos.

    Rato-preto ou rato-de-telhado (Rattus rattus)

    Animal de hábito terrestre que prefere lugares secos e que possui talento para escalar paredes e outras superfícies íngremes. Gosta de viver em forros de casas, mas também é facilmente encontrado em locais onde haja grãos armazenados ou caídos no solo. Seu corpo pode chegar a 19 cm e sua cauda pode ter até 26 cm. Encontrado em todo o Brasil, nas regiões Norte e Nordeste é conhecido como gabiru.

    Rato-doméstico (Mus musculus)

    É o popular camundongo. Um roedor de pequeno porte, com tamanho médio de 8 cm, cauda apenas um pouco menor, orelhas grandes e pelagem uniformemente castanho-acinzentada. É uma espécie totalmente adaptada ao meio urbano, que possui hábitos noturnos, olfato desenvolvido e visão pobre. É o animal comumente utilizado como cobaia em laboratórios.

    Rato-de-capim (Bolomys lasiurus)

    Este roedor inicialmente só era encontrado em áreas de mata ou capim alto. Mas devido a fatores como desmatamento e queimadas, acabou migrando para regiões urbanizadas. Possui pelos curtos, levemente ásperos e castanho-acinzentados no dorso, cauda curta, pilosa, mais escura na parte dorsal e esbranquiçada na parte ventral. É o principal vetor da hantavirose, doença viral transmitida por meio das fezes, urina e saliva dos ratos.

A espécie conhecida como rato-do-capim (Bolonys lasyurus). Até pouco tempo, ele era encontrado quase que exclusivamente em matas e capins altos. Mas com o desmatamento e queimadas, ele está sendo encontrado, também, nas cidades, caracterizando, assim, o quarto roedor sinantrópico. Todas as espécies têm características em comum que auxiliam no reconhecimento da praga: um par de dentes incisivos no seu maxilar superior, pernas curtas e cauda longa. Os ratos podem ser confundidos com ratazanas jovens, mas há algumas diferenças: as orelhas de um são maiores e a cauda mais comprida em comparação com o corpo, se comparados às ratazanas jovens, que têm a cabeça e os pés maiores em relação ao corpo. Além disso, os ratos são, geralmente, de cor cinzenta clara ou acastanhada, com um tom mais claro na zona da barriga. A ratazana comum é maior do que o rato negro, tem um corpo mais grosso, cauda mais curta do que a cabeça e o corpo juntos, cor mais clara debaixo da cauda, orelhas pequenas e peludas e nariz grosso. Já o rato negro tem corpo delgado, orelhas grandes, nariz pontiagudo, cauda mais longa que a cabeça e o corpo juntos.

Hábitos alimentares do Rato e da Ratazana

De maneira geral, os ratos e as ratazanas são onívoros. Quer dizer, comem alimentos de origem animal e vegetal. Porém, a ratazana e o rato doméstico (camundongo) preferem os grãos e cereais, enquanto que o rato-preto gosta mais de frutas e outros alimentos com elevado teor de umidade. Mas, de modo geral, esses bichos comem de tudo. Quanto ao habitat, vivem em tocas, solos escavados, telhados, árvores e outros lugares. Mas as preferências variam conforme a espécie e as características físicas. Todas as espécies de ratos têm grande capacidade de procriação. Curiosidade: Você sabia que todos os roedores nascem cegos, sem pelos e totalmente dependentes das progenitoras? Veja, abaixo, algumas peculiaridades e características desses quatro tipos de roedores quanto à alimentação, abrigo, reprodução e outros hábitos:

Ratazana

  • costuma cortar um grão como se o estivesse fatiando
  • busca alimentos nos mesmos locais
  • bebe em média 60 ml de água por dia
  • vive em solos escavados, tocas, esgotos e pode ser vista ao ar livre
  • cava tocas no chão com as patas e dentes
  • prolifera até 10 vezes por ano
  • seus excrementos são grandes (9 mm a 14 mm), de cor castanho e forma cônica
  • o pelo oleoso costuma deixar rastros contínuos por onde passa

Rato-preto

  • também tem o hábito de cortar os grãos
  • não costuma se alimentar no mesmo lugar consecutivamente
  • prefere ambientes de clima temperado, por exemplo, zonas portuárias
  • agilidade e facilidade para a construção de ninhos em locais altos (telhados e árvores)
  • fezes longas, finas e menores do que as da ratazana
  • fêmea pode engravidar no mesmo dia em que gera a primeira ninhada
  • caminha com a ponta das patas e deixa manchas definidas e separadas (diferente das ratazanas)

Rato-doméstico

  • esmaga o grão e remove a casca exterior para comer o endosperma branco que se encontra no interior
  • busca os alimentos nos mesmos locais
  • pode sobreviver sem água, mas geralmente bebe até 3 ml de água se a dieta for seca
  • atinge maturidade sexual precocemente e suas ninhadas são frequentes
  • é encontrado no solo ou constrói ninhos em tocas
  • os excrementos têm entre 3 mm e 8 mm, são granulados e escuros
  • é ágil em escaladas

Rato-do-capim

  • roedor silvestre
  • cria colônias em plantações, silos e tulhas
  • rápida capacidade de multiplicação
  • presença nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, mas também é visto nos estado do Paraná e do Pará
  • é bastante leve, os adultos pesam entre 26 gramas e 64 gramas

Abrigos

As ratazanas comuns vivem, geralmente, no solo e em tocas, mas são vistas com frequência em sistemas de esgoto e ao ar livre. Se cavarem em canos de esgoto, podem causar grandes prejuízos. É comum que deixem manchas contínuas por onde passam por conta do pelo oleoso. Os ratos negros estão mais presentes em locais de clima temperado, como zonas portuárias. São ágeis e têm facilidade de construir ninhos em locais altos, como debaixo de telhados e em árvores. Por se locomoverem com as pontas dos pés, as superfícies por onde passam ficam marcadas com manchas separadas, ao contrário das ratazanas. Já os ratos domésticos estão quase sempre no solo e fazem ninhos em tocas, embora sejam ágeis e possam, também, escalar com relativa facilidade. Em infestações, a oleosidade do corpo, aliada à sujeira e urina formam crostas características, que facilitam a identificação, além de que suas pegadas são menores do que as das ratazanas. Outro fator que auxilia na identificação é o excremento, que se diferem em tamanho e forma. O excremento das ratazanas comuns são grandes, de 9 a 14 mm de comprimento, com cor castanho escuro e forma cônica (parecido com um grão de arroz). Já o do rato negro é longo, fino e menores do que o das ratazanas. O excremento do rato doméstico tem entre 3 e 8 mm e são, quase sempre, encontrados de forma espalhada. Tem forma granular e são bem escuros.

Reprodução

Diferente das ratazanas, os ratos atingem a maturidade sexual antes e têm ninhadas maiores e mais frequentes. Já os recém-nascidos de todos os tipos de roedores têm a mesma característica: são cegos, não têm pêlos e são completamente dependentes das progenitoras.

O que eles têm em comum?

Podemos dizer que todos os exemplares de ratazana, rato-preto, rato-doméstico e rato-de-capim têm um par de dentes incisivos no maxilar superior, pernas curtas e cauda longa. Além disso, são espécies consideradas pragas urbanas sinantrópicas e com grande capacidade reprodutiva.

São transmissores de quais doenças?

Os ratos podem ser vetores de mais de 35 doenças, que são transmitidas a humanos e animais domésticos. Algumas dessas doenças são leptospirose, tifo, peste bubônica, toxoplasmose e a hantavirose. A BIOMAX é especializada em Controle de Pragas em Indústrias, Industriais de Alimentos, Industria Farmacêutica, Hospitais, Centros Empresariais e Shoppings. Consulte-nos!

O que é a desratização BIOMAX?

Infográfico Manejo Ecológico de Pragas

MEP é um conceito de controle de pragas mais amplo do que o tradicional

A desratização BIOMAX é um conjunto de técnicas que são empregadas com o objetivo de eliminar os roedores de um determinado ambiente, por exemplo, indústrias e espaços comerciais. Em outras palavras, são métodos físicos, biológicos e químicos que são utilizados para erradicar infestações de ratos – animais que são considerados um tipo de praga urbana. Contudo, como já foi dito, a eficiência da desratização depende da identificação do invasor, do conhecimento de seus hábitos e do espaço infestado. Por isso, é importante salientar que a desratização BIOMAX é um processo diferente de uma simples dedetização. E que um de seus principais objetivos é prevenir casos de reinfestação (o chamado ‘efeito bumerangue’). Quer dizer, evita o indesejado retorno dos ratos, o que invariavelmente ocorre após a realização de uma mal sucedida intervenção de controle de pragas invasoras.

Outra vantagem da desratização BIOMAX é a segurança total. No caso das indústrias, evita a contaminação da planta fabril, dos colaboradores e dos produtos, já que o uso de inseticidas (método químico) é controlado.

tecnicas do manejo ecologico de pragas

Além da desratização, o nosso portfólio de soluções e tecnologias de manejo de pragas urbanas inclui:

Consulte a BIOMAX!

Realizamos o Controle de Pragas efetivo.

Telefone: (19) 3124-3600 E-mail: biomax@biomax-mep.com.br

× Atendimento