Como evitar a infestação de pragas em galpões de suínos e granjas de aves? Este é, sem dúvida, um dos maiores desafios das indústrias e dos produtores que atuam nestes importantes segmentos de proteína animal.

Entre investidores e criadores de porcos e aves esta é uma preocupação permanente, já que é imprescindível garantir as perfeitas condições sanitárias desses locais para manter a qualidade, segurança, produtividade e competitividade do negócio.

A presença de invasores indesejados como ratos, moscas pombos e insetos compromete a qualidade e a segurança sanitária da carne que é produzida em grande escala nessas unidades e que depois desembarca nas prateleiras dos supermercados e açougues.

Isso porque as pragas urbanas são vetores de contaminações e doenças que podem afetar aves e suínos e, consequentemente, oferecer riscos à saúde do consumidor final.

Além dos prejuízos à saúde pública, a falta de controle de pragas em instalações do setor alimentício geralmente traz outras consequências desastrosas como problemas com consumidores, órgãos de fiscalização e a Justiça. E essas situações podem causar danos irreparáveis à marca e à imagem institucional.

Por isso, manter as unidades de criação de porcos e aves imunes à presença e infestação de pragas urbanas exige a contratação de empresas especializadas no controle integrado de pragas.

A BIOMAX é uma empresa com esse perfil, que garante a execução de serviços profissionais com total segurança, conformidade às leis e normas, respeito ao meio ambiente e às pessoas (colaboradores e consumidores).

Suinocultura e avicultura: potências do setor alimentício

As indústrias de processamento de aves e suínos representam dois gigantescos mercados do setor de alimentação, no Brasil e no mundo.

Sua importância e peso se traduzem em números expressivos consolidados em 2018, extraídos dos bancos de dados da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) e da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

Naquele ano, as companhias brasileiras de processamento de aves e de suínos produziram, respectivamente, 13,63 milhões de toneladas e 3,89 milhões de toneladas de proteína animal.

Destes totais, o mercado interno consumiu 9,54 milhões de toneladas de proteína suína e 3,35 milhões de toneladas de carne de aves.

Manejo de Pragas inadequado e os riscos para as empresas

Higiene total, assepsia, ambiente livre de pragas urbanas e água de excelente qualidade são condições ‘sine qua non’ para o sucesso dos processos fabris e para a segurança de negócios do ramo alimentício.

O manejo de animais confinados e a produção de alimentos processados definitivamente não combinam com a presença e a circulação de pragas como ratos, moscas, baratas, morcegos, pombos, aranhas, formigas e outros animais invasores. E ponto final.

Porém, quando instalações de suínos e granjas de aves se tornam zonas de conforto para esses bichos, certamente virão problemas desencadeados pela presença desses inoportunos hóspedes.

As pragas invasoras de unidades de produção de alimentos são transmissoras de microorganismos patogênicos – vírus e bactérias – que podem causar lesões, doenças e, em casos mais graves, até provocar a morte de quem consumiu produtos contaminados.

Nas instalações agroindustriais de abate e engorda de suínos e aves, os prejuízos com pragas envolvem:

  • Contaminação e risco de perda de animais de raça
  • Aumento de custos veterinários e de medicamentos
  • Contaminação de lotes de rações
  • Fabricação de produtos com alto risco à saúde do consumidor
  • Perda de estoques contaminados
  • Grandes prejuízos financeiros
  • Danos à infraestrutura da unidade
  • Comprometimento de ações e investimentos na área de melhoramentos genéticos

Além de todos esses transtornos, a empresa ainda pode ser penalizada com a emissão de multas e medidas restritivas adotadas pelos órgãos de vigilância sanitária. Em casos extremos, até a unidade produtiva pode ser interditada e fechada.

Geralmente também envolve o embate com os órgãos de defesa do consumidor, a judicialização do caso, a exposição negativa da empresa e da marca na mídia e nas redes sociais. Ou seja, um pacote de problemas que impactam na reputação do negócio.

Eliminando os ‘4A

Você já ouviu falar da estratégia de eliminação dos ‘4A’? Trata-se de um conjunto de medidas para identificar e eliminar os quatro elementos  favoráveis à sobrevivência e reprodução de pragas: alimento, água, abrigo e acesso.

tecnicas do manejo ecologico de pragas

Com a adoção de medidas preventivas em relação a esses fatores, é possível manter esses animais longe de silos, áreas de armazenagem de cereais/grãos, estoques varejistas, galpões de suínos e granjas de aves.

O conceito “4A’ envolve a instalação de barreiras (alambrados, telas, muretas) e armadilhas, adequações estruturais, contenção de vazamentos de esgotos com resíduos de alimentos, a realização de controles de luz e temperatura, além de outras estratégias físicas, mecânicas e biológicas menos agressivas.

Se todos esses métodos não forem suficientes, em última instância são aplicados inseticidas, pesticidas e iscas químicas para a erradicação das pragas.

Essa sequência de procedimentos integra o Manejo Ecológico de Pragas (MEP), método de excelente eficácia para o combate de animais invasores em ambientes ligados à produção de alimentos.

O MEP é balizado por três princípios centrais:

  1. Proteção sanitária das unidades produtivas – envolvendo animais confinados, produtos processados, matéria-prima/insumos armazenados e processos fabris
  2. Redução de impactos ambientais e à saúde pública – emprego racional de tecnologias de combate a pragas, (partindo de métodos menos agressivos) visando a preservação ecológica e o bem-estar de funcionários e consumidores
  3. Segurança jurídica – conformidade com leis, diretrizes sanitárias e normas técnicas como NBR ISO 14001, NBR ISO 2200, o manual Boas Práticas de Fabricação (BPF) e o sistema APPCC (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle).
Infográfico Manejo Ecológico de Pragas

MEP é um conceito de controle de pragas mais amplo do que o tradicional

Seus galpões de suínos e granjas de aves estão com problemas de infestação de pragas? Elas estão resilientes? Sua unidade está convivendo com casos de reinfestação?

Procure a BIOMAX, pois esta é uma tarefa que envolve conhecimento científico e a adoção de um conjunto de ações multidisciplinares que visam eficiência, segurança operacional, redução de impactos ambientais e a proteção dos animais e das pessoas.

As soluções da BIOMAX

Além do abrangente e eficiente Manejo Ecológico de Pragas (MEP), a BIOMAX possui outras soluções para atender casos específicos de infestação por diferentes tipos de pragas.

Nosso portfólio de serviços de gestão de pragas urbanas inclui:

Consulte a BIOMAX!

Mais informações sobre as soluções da BIOMAX pelos nossos canais de atendimento:

Telefone: (19) 3124-3600

E-mail: biomax@biomax-mep.com.br

Sumário
Controle de Pragas em Granjas de Suínos e Granjas de Aves
Nome do Artigo
Controle de Pragas em Granjas de Suínos e Granjas de Aves
Descrição
Controle de pragas em granjas de suínos e granjas de aves. Sem dúvida, um dos maiores desafios das indústrias e dos produtores que atuam nestes importantes segmentos de proteína animal.
Autor
BIOMAX Controle de Pragas

A BIOMAX é especializada no controle de pragas em indústrias de alimentos, medicamentos e embalagens, em redes hoteleiras e hospitalares e nas demais empresas que procuram um programa sustentável com as exigências da Anvisa, da Norma ISO 22000, BPF, HACCP e Ministério da Agricultura. Utiliza o sistema de controle denominado Manejo Ecológico de Pragas (MEP) o qual une eficácia no controle das pragas e segurança para as pessoas e o meio ambiente. Atendemos toda a região Sudeste.