O toxoplasma é um parasita que tem como hospedeiro definitivo o gato; o homem, ratos e pombos são hospedeiros intermediários.

A profilaxia para a toxoplasmose congênita depende exclusivamente de certos cuidados básicos para evitar a infestação do parasita no organismo, principalmente de gestantes. A toxoplasmose pode ser adquirida pelo ser humano adulto através de duas vias:

  1. Por ingestão dos protozoários defecados pelos gatos na terra, no lixo ou na areia, veiculados pelo contato manual ou através de vetores, como moscas, baratas e minhocas.

  2. Por ingestão de carne crua ou mal passada de animais contaminados.

Para prevenir a infestação na gestante não imunizada, é necessário evitar o contato desta com gatos e a sua presença no ambiente doméstico; manter perfeita limpeza da casa e arredores, eliminando os insetos vetores; habituar a gestante ao uso de luvas para manipular carnes cruas, o solo, a areia e o lixo, lavando muito bem as mãos após o contato com este tipo de material; finalmente, cozinhar bem as carnes (o aquecimento acima de sessenta e seis graus centígrados mata o toxoplasma).

Toxoplasmose e Efeitos no Cérebro

Ratos infectados com o parasita que causa toxoplasmose se comportam de maneira estranha, perdendo o medo natural de gatos, os hospedeiros definitivos do protozoário que provoca essa doença. Pesquisas mostram que, quando expostos ao cheiro da urina do felino, eles parecem se sentir atraídos pelo próprio predador.

E assim como nos ratos, pesquisas mostram que o protozoário da toxoplasmose pode causar mudanças comportamentais também em humanos. O parasita é associado à esquizofrenia, à depressão, ao autismo e até ao aumento do risco de envolvimento em acidentes de trânsito.

Uma nova pesquisa revelou como esse protozoário pode interferir no funcionamento do cérebro. Cientistas da Universidade Otto von Guericke, de Magdeburgo, e do Instituto Leibniz para Neurobiologia (LIN) conseguiram descobrir como esse parasitainfluencia o metabolismo do cérebro de seu hospedeiro.

A toxoplasmose é causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, que existe em todo o mundo. Ele infecta aves e mamíferos, inclusive humanos. O parasita, porém, só pode se reproduzir de forma sexuada no sistema digestivo de gatos e felinos, seus hospedeiros definitivos.

O patógeno da toxoplasmose é eliminado junto com as fezes do gato. A transmissão da doença ocorre pelo contato com fezes contaminadas ou pela ingestão de alimentos e água contaminados.

Estima-se que metade de toda a população adulta do planeta esteja infectada por esse protozoário, mas na maioria dos casos, a presença dele passa despercebida e apresenta sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, fadiga e dores musculares, além de diarreia. A toxoplasmose é perigosa, porém, para pessoas com um sistema imunológico enfraquecido e também durante a gravidez.

Uma vez infectado, o parasita se hospeda em tecidos musculares e no cérebro e fica dormente para o resto da vida, no que é chamado por médicos de infecção oculta.

De acordo com o estudo alemão publicado na revista especializada Journal of Neuroinflammation, o parasita altera a composição molecular das sinapses, que são responsáveis pela transmissão de sinais cerebrais.

“Toxoplasma gondii é absorvido por humanos por meio da digestão, entra na corrente sanguínea e também migra para o cérebro, entrando nas células nervosas para o resto de suas vidas”, afirmou Karl-Heinz Smalla, do Laboratório Especial de Técnicas de Biologia Molecular do LIN.

Em cooperação com o Centro Helmholtz para Pesquisa sobre Infecções, os pesquisadores conseguiram comprovar que a infecção altera as quantidades de 300 proteínas sinápticas no cérebro de ratos.

Os animais apresentaram, em particular, menos proteínas nas proximidades de receptores excitatórios que liberam glutamato. Ao mesmo tempo, ocorre um aumento das proteínas envolvidas em respostas imunes.

“O mau funcionamento de sinapses glutamatérgicas é associado à depressão, à esquizofrenia e ao autismo. Componentes da resposta imune também estão relacionados a essas doenças”, afirma Ildiko Rita Dunay, que trabalhou no estudo. “Isso sugere que as reações imunes podem causar mudanças na sinapse que podem levar a distúrbios neurológicos”, acrescenta.

Os pesquisadores descobriram também que a sulfadiazina, um antibiótico usado no tratamento da toxoplasmose, pode normalizar o metabolismo no cérebro de ratos infectados.

“Todas as proteínas analisadas responsáveis pela transmissão do sinal glutamatérgico voltaram ao normal. A atividade inflamatória também diminuiu de forma mensurável”, afirmou o cientista Björn Schott, que trabalhou na pesquisa.

Fonte: Deutsche Welle

Sumário
Toxoplasmose, Efeitos e Seus Agentes Transmissores
Nome do Artigo
Toxoplasmose, Efeitos e Seus Agentes Transmissores
Descrição
O toxoplasma é um parasita que tem como hospedeiro definitivo o gato; o homem, outros mamíferos principalmente ratos e as aves (pombos) são hospedeiros intermediários.
Autor
BIOMAX Controle de Pragas

A BIOMAX é especializada no controle de pragas em indústrias de alimentos, medicamentos e embalagens, em redes hoteleiras e hospitalares e nas demais empresas que procuram um programa sustentável com as exigências da Anvisa, da Norma ISO 22000, BPF, HACCP e Ministério da Agricultura. Utiliza o sistema de controle denominado Manejo Ecológico de Pragas (MEP) o qual une eficácia no controle das pragas e segurança para as pessoas e o meio ambiente. Atendemos toda a região Sudeste.