Resolução ANVISA RDC 216

O Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprovado pela Resolução – RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004, abrange as condutas que devem ser adotadas nos serviços de alimentação, a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias do alimento preparado.

Suporte BIOMAX para atender a RDC 216

Objetivo

Estabelecer procedimentos de Boas Práticas para serviços de alimentação a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias do alimento preparado.

A implantação das Boas Práticas se resume em adequar na prática, a aparência das instalações, procedimentos de higiene pessoal, de superfícies e do ambiente; avaliar e garantir a potabilidade da água utilizada; orientar para os procedimentos do manejo do lixo e outros resíduos e para o controle de pragas; apropriar os procedimentos de calibração de equipamentos de medição; garantir a seleção das matérias-primas e fornecedores; orientar os processos produtivos quanto à segurança dos alimentos desde o recebimento até a distribuição, ensinando a aplicar critérios adequados em cada etapa. Na implantação também são elaborados os Procedimentos Operacionais Padrão e o Manual de Boas Práticas exigidos pela Legislação Sanitária. A implantação desta ferramenta permite a comprovação da qualidade dos serviços e, consequentemente, a credibilidade junto ao mercado.

À Quem se Destina

Aplica-se aos serviços de alimentação que realizam algumas das seguintes atividades: manipulação, preparação, fracionamento, armazenamento, distribuição, transporte, exposição à venda e entrega de alimentos preparados ao consumo, tais como cantinas, bufês, comissárias, confeitarias, cozinhas industriais, cozinhas institucionais, delicatéssens, lanchonetes, padarias, pastelarias, restaurantes, rotisserias e congêneres.

Os donos de estabelecimentos que se dedicam a preparar e servir alimentos para o consumidor são responsáveis pela qualidade e segurança de seus produtos e serviços.

Observações:

  • Estabelecimentos instalados em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegários devem obedecer regulamentos técnicos específicos.
  • Excluem-se deste Regulamento os lactários, as unidades de Terapia de Nutrição Enteral – TNE, os bancos de leite humano, as cozinhas dos estabelecimentos assistenciais de saúde, hospitais e os estabelecimentos industriais são regidos pelo Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação (BPF) para Estabelecimentos Produtores e Industrialização de Alimentos.

 

Para implantar as boas práticas é importante:

  • Conhecer os conceitos de Boas Práticas;
  • Buscar informações sobre a RDC 216 /04 no site da Anvisa ou nas instituições indicadas abaixo;
  • Avaliar a adequação das condições da empresa: relativa ao item 4 da RDC 216/04. Poderá ser utilizado um check-list;
  • Elaborar e desenvolver um plano de ação para solucionar as não-conformidades detectadas;
  • Dispor de Manual de Boas Práticas para serviços de alimentação, caso não possua, o mesmo poderá ser elaborado durante a implantação;
  • Promover a capacitação do responsável pela atividade de manipulação de alimentos;
  • Supervisionar e capacitar: periodicamente, os manipuladores de alimentos.
  • Alimentos preparados: são alimentos manipulados e preparados em serviços de alimentação, expostos à venda embalados ou não
  • Anti-sepsia: operação que visa a redução de microrganismos presentes na pele em níveis seguros, durante a lavagem das mãos com sabonete anti-séptico ou por uso de agente anti-séptico após a lavagem e secagem das mãos.
  • Boas Práticas: procedimentos que devem ser adotados por serviços de alimentação a fim de garantir a qualidade higiênico-sanitária e a conformidade dos alimentos com a legislação sanitária.
  • Contaminantes: substâncias ou agentes de origem biológica, química ou física, estranhos ao alimento, que sejam considerados nocivos à saúde humana ou que comprometam a sua integridade.
  • Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas: sistema que incorpora ações preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou a proliferação de vetores e pragas urbanas que comprometam a qualidade higiênico-sanitária do alimento. Saiba mais sobre Controle Integrado de Pragas BIOMAX.
  • Desinfecção: operação de redução, por método físico e ou agente químico, do número de microrganismos em nível que não comprometa a qualidade higiênico-sanitária do alimento.
  • Higienização: operação que compreende duas etapas, a limpeza e a desinfecção.
  • Limpeza: operação de remoção de substâncias minerais e ou orgânicas indesejáveis, tais como terra, poeira, gordura e outras sujidades.
  • Manipulação de alimentos: operações efetuadas sobre a matéria-prima para obtenção e entrega ao consumo do alimento preparado, envolvendo as etapas de preparação, embalagem, armazenamento, transporte, distribuição e exposição à venda.
  • Manipuladores de alimentos: qualquer pessoa do serviço de alimentação que entra em contato direto ou indireto com o alimento.
  • Manual de Boas Práticas: documento que descreve as operações realizadas pelo estabelecimento, incluindo, no mínimo, os requisitos higiênico-sanitários dos edifícios, a manutenção e higienização das instalações, dos equipamentos e dos utensílios, o controle da água de abastecimento, o controle integrado de vetores e pragas urbanas, a capacitação profissional, o controle da higiene e saúde dos manipuladores, o manejo de resíduos e o controle e garantia de qualidade do alimento preparado.
  • Medida de controle: procedimento adotado com o objetivo de prevenir, reduzir a um nível aceitável ou eliminar um agente físico, químico ou biológico que comprometa a qualidade higiênico-sanitária do alimento.
  • Produtos perecíveis: produtos alimentícios, alimentos “in natura”, produtos semi-preparados ou produtos preparados para o consumo que, pela sua natureza ou composição, necessitam de condições especiais de temperatura para sua conservação.
  • Registro: consiste de anotação em planilha e ou documento, apresentando data e identificação do funcionário responsável pelo seu preenchimento. Resíduos: materiais a serem descartados, oriundos da área de preparação e das demais áreas do serviço de alimentação.
  • Saneantes: substâncias ou preparações destinadas à higienização, desinfecção ou desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos e/ou públicos, em lugares de uso comum e no tratamento de água.
  • Serviço de alimentação: estabelecimento onde o alimento é manipulado, preparado, armazenado e ou exposto à venda, podendo ou não ser consumido no local.
  • Procedimento Operacional Padronizado – POP: procedimento escrito de forma objetiva que estabelece instruções seqüenciais para a realização de operações rotineiras e específicas na manipulação de alimentos

Implantação

  • Estudos e Avaliações
  • Montagem do cronograma (data) de visitas;
  • Comprometimento da direção da empresa;
  • Avaliação da documentação da empresa;
  • Aplicação do check-list inicial;
  • Realização de relatório fotográfico ressaltando as irregularidades encontradas;
  • À cada visita o consultor entrega um relatório parcial das atividades executadas;
  • Conscientização e mobilização dos colaboradores.
  • Levantamento dos aspectos gerais de recursos humanos;
  • aspectos gerais de condições ambientais;
  • aspectos gerais de instalações, edificações e saneamento;
  • Levantamento das condições gerais de equipamentos;
  • Verificação das condições de sanitização;
  • Levantamento dos aspectos gerais de produção;
  • Montagem de planilhas de controle.
  • Montagem das Instruções de Trabalho;
  • Descrição dos Procedimentos Operacionais Padrão (POP’s);
  • Orientação na Montagem do Manual de Boas Práticas;
  • Orientação para melhoria contínua do processo.

Consulte na integra a RDC 216 na íntegra:

http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/388704/RESOLU%25C3%2587%25C3%2583O-RDC%2BN%2B216%2BDE%2B15%2BDE%2BSETEMBRO%2BDE%2B2004.pdf/23701496-925d-4d4d-99aa-9d479b316c4b

 

Conheça outros serviços BIOMAX para indústrias, hospitais, hotéis, shoppings e condomínios:

Controle de Pragas

Controle de Pombos

Desratização

Descupinização

Fumigação

Controle Integrado de Pragas

Identificação de Pragas

Análise do Ar

Empresas e indústrias consulte-nos!

Realizamos o Controle de Pragas efetivo.

 

Related termos

Sumário
RDC 216
Nome do Artigo
RDC 216
Descrição
Resolução RDC 216, de 15 de setembro de 2004, ANVISA, abrange as condutas que devem ser adotadas nos serviços de alimentação, a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias do alimento preparado.
Autor
BIOMAX Controle de Pragas

A BIOMAX é especializada no controle de pragas em indústrias de alimentos, medicamentos e embalagens, em redes hoteleiras e hospitalares e nas demais empresas que procuram um programa sustentável com as exigências da Anvisa, da Norma ISO 22000, BPF, HACCP e Ministério da Agricultura. Utiliza o sistema de controle denominado Manejo Ecológico de Pragas (MEP) o qual une eficácia no controle das pragas e segurança para as pessoas e o meio ambiente. Atendemos toda a região Sudeste.